Uma Viagem à Volta do Mundo: Culturas lá for a, Culturas cá Dentro

Exposição abriu a 23 de Junho de 2012

Pegue no seu passaporte e venha conhecer o novo mundo encontrado pelos baleeiros de New Bedford.  As viagens ligavam as culturas mundiais através do comercia e ajudaram a estabelecer a hegemonia Americana em portos distantes.  Através da atividade comercial e tripulantes alistando e desembarcando, essas viagens estabeleceram o padrão inicial de imigração que se segue até hoje.

“Viagem baleeira no Mar do Sul”, óleo sobre tela, William Edward Norton (2001.100.4743)

 

A maioria das viagens chegaram às Ilhas Atlânticas dos Açores e Cabo Verde, onde os capitães se abasteciam de material e de tripulação para a longa viagem em frente. Esta estratégia fez com que a influência Portuguesa destas viagens e a sua divulgação cultural fossem muito fortes. A caça à baleia literalmente levou esses homens ao redor do mundo, através de todos os oceanos, até os extremos polares do globo. Os intercâmbios culturais e conexos realizados através destas viagens de comércio deixaram evidências ainda hoje visíveis não só nas grandes comunidades Portuguesas e Cabo-verdianas em New Bedford, mas em comunidades do lado oposto do país, onde a caça à baleia já foi uma indústria importante. O facto da Califórnia e o Havaí terem uma população significativa de Portugueses está enraizada na caça à baleia, e a exposição explora as comunidades Portuguesas que continuam a ser um importante legado da experiência baleeira Luso-americana.

 

A Viagem à Volta do Mundo demonstra a notável amplitude geográfica de uma verdadeira jornada baleeira. Nesta viagem imaginária, começaremos com as Ilhas Atlânticas dos Açores e Cabo Verde, começando com as muitas culturas encontradas pelos baleeiros. Em seguida, para o Brasil, onde a influência Portuguesa é aparente e baleação foi frutífero ao longo da costa. Em seguida, é a viagem traiçoeira em torno do Cabo Horn da América do Sul onde os ventos ferozes, as ondas enormes e correntes fortes são a norma, mas onde o Pacífico quente aguarda. Cada localidade é vividamente ilustrada por reproduções em grande escala de Benjamin Russell e Caleb Purrington de 1849 Grand Panorama de uma viagem de baleia ao redor do mundo.

 

Nossa coleção é transbordante com os materiais que os baleeiros trouxeram de muitas ilhas do Pacífico incluindo as exuberantes Ilhas Galapagos, Marquesas, e além a Fiji, e Samoa. Ao combinar as imagens Panorama com arte, artefatos e objetos etnográficos representativos das culturas, bem como ilustrações do Século XIX e início do Século XX, cartas marítimas, impressões, diários de bordo, jornais e livros de contas, a equipe de conservadores criou uma poderosa e sugestiva interpretação de a experiência Portuguesa na pesca da baleia Yankee como se encontrou essas comunidades diversas.

A exposição oferece uma amostragem ampla dessas diversas culturas, mas o foco está em regiões como o Brasil, Califórnia, Havaí e Alasca, onde a influência da tripulação Portuguesa e o seu legado torna-se claro.