Visões Árticas: “Away then Floats the Ice-Island”

 

Datas de Exibição: 26 de Abril de 2013 – 17 de Outubro de 2014

Clique aqui para visitar o website do projeto.

E-book, cópia facsimile de Regiões Árticas

 

Palestras – Lyceum Old Dartmouth – relacionadas com esta exibição, Setembro – Novembro de 2013

O título “Visões do Ártico: Em frente, a seguir, Flutua a Ilha de Gelo” foi tirado do texto de um artefacto central nesta exposição: a publicação de William Bradford intitulado Regiões Árticas: Ilustrado com Fotografias Tiradas numa Expedição de Arte.

Cover of Arctic Regions

Obra de William Bradford intitulada As Regiões do Ártico: Ilustrada com Fotografias Tiradas numa Expedição de Arte.

Publicado em Londres em 1873, patrocinado principalmente pela Rainha Victoria, estima-se que uns 300 volumes tenham sido impressos. Três são de propriedade local, um aqui no Museu, um pertencente à Biblioteca Millicent em Fairhaven e um na Biblioteca Pública de New Bedford. Pouco antes da abertura da exposição, o Museu republicou este magnífico livro num formato mais manejável do que o

original, para que qualquer pessoa possa desfrutar destas fotografias espetaculares e texto fascinante, no seu tempo de lazer. A republicação pode ser comprada aqui.

Esta exposição, utilizando as ricas coleções árticas e etnográficas deste Museu e através de parcerias com outras instituições e indivíduos, explorou as interseções entre arte, exploração e impacto humano e compreensão do ambiente.

Em exibição havia uma variedade de obras de Bradford, que iam desde esboços, desenhos e algumas de suas pinturas mais conhecidas, até ao original do Arctic Regions e suas cópias digitais. Os diversos meios representados, demonstraram claramente a profundidade e a força dos artigos, propriedade do Museu, relacionados com Bradford e também refletiram a generosidade de numerosos doadores.

O livro de Bradford relata uma viagem de três meses ao longo da costa ocidental da Groenlândia a bordo do Panther, um navio de caça à foca, de 325 toneladas. Partindo de St. John da Terra Nova a 3 de Julho de 1869, a viagem foi organizada pelo artista, natural de Fairhaven, William Bradford (1823-1892) exclusivamente para “fins de arte.” Acompanhavam-no o distinto  explorador do Ártico Dr. Isaac Israel Hayes e os hábeis fotógrafos John L Dunmore e George Critcherson. A viagem foi comandada pelo capitão John Bartlett, ajudado pelos seus dois irmãos como oficiais e “uma tripulação de resistentes naturais da Terra Nova.” Ao contrário das viagens árticas mais adiantadas em descobrir a passagem do noroeste, ou focadas no lucro comercial, o prestígio nacional ou a curiosidade científica, Bradford viajou pela arte, com um bloco de desenho à mão.

William Bradford, John. L. Dunmore, and George Critcherson, plate 2 from Bradford's The Arctic Regions (London, 1873)

William Bradford, John. L. Dunmore, e George Critcherson, placa 2 da obra de Bradford As Regiões do Ártico (London, 1873)

A fotografia em colódio húmido, naquele tempo, era relativamente nova e difícil de executar, especialmente em condições árticas extremas. Como Douglas Wamsley e William Barr afirmam no seu ensaio, Os Primeiros Fotógrafos do Ártico Canadiano e Groenlândia, outros fotógrafos amadores fotografaram com sucesso o Ártico, incluindo o explorador e médico Isaac Israel Hayes. Um companheiro a bordo do Panther, Dr. Hayes, tinha viajado anteriormente para o Ártico em várias ocasiões, incluindo uma vez com Elisha Kent Kane na Segunda Expedição Grinnell, em busca de Sir John Franklin. Em comparação, entretanto, a produção fotográfica de Dunmore e Critcherson ultrapassou todas as tentativas anteriores em qualidade e quantidade. A sua colaboração com Bradford provou ser inovadora, fornecendo-lhe uma nova ferramenta para usar como parte de seu processo criativo. Bradford, não sendo um pioneiro da fotografia,  foi certamente um dos primeiros proponentes. Não só se adaptou a ela, mas também se desenvolveu com ela.

Visões do Ártico também enfatizou a transição de Bradford para conferencista, mais tarde na sua carreira, uma vez que este usou slides de “lanterna mágica” feitos, principalmente, de negativos da sua viagem. Sabemos agora que a adoção, por Bradford, deste modo de apresentação havia começado já a 7 de Julho de 1870, em Phoenix Hall, na palestra dada “à primeira reunião regular da Associação de União de Fairhaven para o Trabalho Cristão”. Quinze anos depois, Bradford alcançou o expoente máximo para professores autorizados, apresentando a sua série de quatro recitais à Sociedade de Geografia Americana, na cidade de Nova Iorque.  A exposição incluiu uma versão narrada de sua primeira conferência “Vida e Cenário no Norte Distante – Vistas da Viagem do Panther”, como ele apresentou em 1885.

As Regiões Árticas descreveram a jornada de Bradford há mais de 143 anos. As suas palavras ainda nos fazem pensar sobre o nosso mundo de hoje, sugerindo que prestemos atenção e saboreemos cada momento.

Há muitas individualidades cujos esforços anteriores construíram a base que conduziu a esta exposição, nenhum mais significativo do que o diretor emérito do Museu, Richard Kugler. As suas capacidades de liderança e sabedoria construíram o núcleo da Coleção Bradford do Museu.

Com a abertura desta exposição e a republicação das Regiões do Ártico, o Museu deseja agradecer a Bruce A. e Karen E. Wilburn pela sua visão e generoso apoio dando vida a estes dois empreendimentos.

 

Versão comercial: $49.95

 

Veja a coleção de fotografias chamada Regiões Árticas na Flickr.

A edição de Março de 2013 de Do Cofre apresenta Regiões Árticas.

As fotografias do Conservador Michael Lapides retiradas de Perseguindo a Viagem de Luz.